Filhos solitários: por que meu filho se incomoda no recreio

Os filhos solitários são definidos dessa forma devido ao comportamento de isolamento em relação aos demais em casa e na escola. Atualmente, alguns pais ficam preocupados quando o filho gosta mais de ficar em casa sozinho lendo um livro ou jogando no computador. 

Há algum tempo, os pais não davam muita atenção para essa situação, principalmente, quando se tratava de filho único. A capacidade de se relacionar com outras crianças e amigos tem sido cada vez mais valorizada para o desenvolvimento da criança, mas, por outro lado, é importante respeitar a personalidade e comportamento natural de cada um. 

Geralmente, uma criança solitária é reconhecida como uma pessoa dócil, obediente e que tira boas notas. Por outro lado, no ambiente escolar, não costuma participar de jogos, não gosta de trabalhos em equipe e prefere andar sozinho. 

São indivíduos que podem passar despercebidos e não causar preocupações entre os professores e perante os pais.

Os filhos solitários

Tem crescido a preocupação dos pais em relação a esse tipo de comportamento que pode piorar com o isolamento. Principalmente, a partir dos doze anos, quando ter amigos é importante para o desenvolvimento, o ato de conversar com a criança torna-se mais importante. 

É importante incentivar o filho a ter amigos, a criar novos vínculos e a ter novas atividades como estudar idiomas, aprender a tocar violão e valorizar o lazer em grupo. Mas ressaltamos que as atividades não podem ser forçadas e deve-se respeitar as escolhas do filho.

A criança isolada

Algumas crianças podem sentir dificuldades para fazer novas amizades ou até mesmo para conviver com outras pessoas.  

Ao ser isolada não possui o hábito de convidar amigos do colégio para frequentar a casa, prefere jogar sozinho, não costuma frequentar festas e possui dificuldades para fazer novas amizades. Prefere ficar sozinho, fugindo de novos contatos sociais com outras pessoas sempre quando pode.

Na escola

No ambiente escolar, esse perfil de criança prefere ficar isolada e até mesmo foge das atividades com outros alunos. Sabemos que no ambiente escolar, os professores acabam dando mais atenção para alunos barulhentos não percebendo algum tipo de problemas que pode ocorrer com a criança mais isolada.

Analise os fatores

Pais e professores devem analisar quais são as causas que de fato incentivam a criança a ser mais isolada. Muitas vezes, os próprios pais podem ter o mesmo tipo de comportamento de isolamento dentro de casa, criando um modelo para o próprio filho. 

Outro fator é a superproteção de alguns pais em relação aos filhos. O medo que o filho tenha experiências novas ou até mesmo viagem com parentes e amigos pode incentivar esse tipo de comportamento.  

Outra situação pode estar ligada a doenças ou comorbidades que limitam a mobilidade física da criança. Mas, retornando à superproteção, fatores ligados à comodidade quando a criança tem tudo dentro de casa e todas as facilidades para permanecer isolada também precisa ser analisada.

A autoestima


Incentivar o filho a se socializar na casa ou no condomínio onde mora, oferecer oportunidades como passeios e viagens, e realização de cursos que desenvolvam novas habilidades culturais pode incentivar que a criança se abra aos poucos para o mundo. É importante que pais e professores jamais critiquem as atitudes do jovem ou da criança, sendo fundamental sempre elevar a autoestima.

Conclusão

Em muitos casos é importante conhecer o que de fato o filho gosta de fazer, e em quais gostos é possível inserir a participação de outras pessoas. Investir na interação natural é um dos caminhos para reduzir o isolamento.