Adolescente Viciado em Redes Sociais: O que Fazer?

Como Pais, de certa forma não nos preparamos para o avanço tão rápido da tecnologia, hoje para onde se olha, existe alguém conectado. Esta é uma mania que atinge a todos, mas, o que fazer quando o assunto é adolescente viciado em redes sociais?

Redes Sociais na Visão dos Pais e Adolescentes

Seu filho já acorda conectado e passa o dia colado ao celular, postando fotos e conversando com os amigos nas redes sociais, você tem a impressão que ele se tornou viciado e não consegue mais viver sem estar conectado.  


Se você está passando por essa situação e não sabe mais o que fazer, possivelmente seu filho já seja mais um adolescente viciado em Redes Sociais. 


Para entender o que passa na cabeça dos jovens e ajudá-los a encontrar um equilíbrio, alguns fatores precisam ser considerados, são eles:

1º A Causa do Vício 

Na adolescência é comum sentir a necessidade de pertencer a um grupo e para eles, nada melhor do que se conectar às redes sociais e se juntar a milhões de outros jovens. 


O que importa para adolescentes de hoje, é compartilhar parte da vida a partir do Instagram, Facebook ou Snapchat e participar de discussões com amigos no Whatsapp, Messenger ou Twitter.


Segundo os especialistas em comportamento humano, não há necessidade para pânico! Se hoje o adolescente passa horas na frente de uma tela reunido com amigos para manter a vida social, não é tão diferente dos adolescentes de antigamente, onde eles passavam horas conversando após as aulas e muitas vezes perdia a hora e chegava em casa tarde.


Em ambos os casos existe a necessidade de manter a vida social.

2º A Hora de Observar

A mídia social não é tão ruim, mas é preciso reconhecer quando seu filho está exagerando e assim estabelecer alguns limites. 


Se seu filho... 


  • fica até altas horas conectado;

  • fica furioso quando você ou alguém o manda desligar o celular ou computador;

  • fica ansioso e impaciente ao ficar desconectado;

  • fica irritado quando está na web e alguém fala com ele;

  • anda com o celular na mão falando ou digitando e parece não enxergar nada e nem ninguém;

  • Passa horas isolado e longe dos outros membros da casa;

  • Fala de pessoas que você não conhece;

  • Toma todo o cuidado para que você ou ninguém, veja seu celular.


Atenção, está na hora de agir!

Adolescente viciado em Redes Sociais - na prática o que Fazer?

Saiba a hora de "impor limites"

Não precisa brigar, vá com calma, pois uma boa comunicação faz milagres. Procure passar mais tempo com ele para conversar sobre suas preocupações, sobre a vida social dele, fale de forma tranquila, um bate papo sem levantar a voz evitando estresse.


Não há necessidades de proibir, mas é preciso encontrar um equilíbrio. Que tal começar estabelecendo horários sem uso de celular ou qualquer outro meio de comunicação? Por exemplo, no horário das refeições, horário de dormir, nos momentos de conversa em família, na hora das atividades escolares, das atividades da casa, na hora de assistir um filme em família.


Vale ressaltar que não adianta estabelecer limites para o adolescente se os pais continuam fazendo as mesmas coisas: usando celular na hora das refeições, nos momentos de conversa e outros. Dê o exemplo!

Atenção ao Conteúdo

Na verdade o que preocupa os pais não é somente o tempo perdido pelos filhos nas redes sociais, mas sim o que ele pode encontrar no mundo virtual. A internet tem muita coisa boa, mas também está cheia de armadilhas, porcarias danosas como cyberbullying, cyber vício, transtornos mentais, depressivos, pedófilos e muitos outros.

A  Prevenção

É preciso ficar atento ao histórico de navegação de seu filho, não descuide, são nestas horas que os perigos costumam rondá-los. Não hesite em fazer a prevenção:


  • Configure a conta da rede social para controlar o que ele deseja compartilhar, faça uma configuração de privacidade;


  • Ensine a ele que tudo o que é postado fica na rede, que suas informações pessoais nunca serão apagadas;


  • Lembre a ele de que compartilhamento de fotos pode prejudicar futuramente sua vida profissional;

  • Algumas práticas cometidas na internet, são passíveis de punição e podem serem consideradas crimes virtuais, como por exemplo, a injúria, difamação, racismo, roubo de dados entre muitos outros.


Tente ser didático, é muito mais efetivo ensinar do que repreender diretamente.

Peça ajuda

Se você não consegue mais conversar e impor limites, não tenha vergonha de pedir ajuda. Procure um especialista em psicologia ou até mesmo um psiquiatra para mediar de forma profissional.


Fale com os professores e orientadores da escola, peça dicas, orientação, busque formas de orientar e ajudar seu filho adolescente a largar o vício das redes sociais.



Aqui no Colégio Lebiste, estamos sempre promovendo atividades extracurriculares que reúnem os jovens em um ambiente tranquilo e salutar. Nossos profissionais são constantemente treinados para promover o diálogo, a socialização, a parceria, e ensinar os valores reais da vida.

Portanto…

Nenhum vício é saudável e o das redes sociais não é diferente, ficar atento aos sinais e impor limites, principalmente quando o assunto envolve um adolescente viciado em redes sociais ou internet, é fundamental para conseguir  encontrar o equilíbrio.


A sensação de poder conhecer o mundo e se comunicar com apenas um clique seduz, mas, quando isso se torna um vício, quando a pessoa deixa de viver a realidade e passa a viver a virtual, aí sim, vira um problema.


Fique atento(a) aos sinais!


Comentários (0)


Deixe um comentário